O GATO DA MINHA IRMàFALA!

Aqui esta o famoso e popular Cookie

Uma conversa sobre gatos, mídias sociais e gestão.

Pelo menos foi isso o que a minha irmã e a minha mãe tentaram me provar durante quase uma hora, que o gato dela conseguia responder às perguntas que elas faziam e logo falava. Sim, não duvide, elas ficaram tentando que eu aceitasse que Cookie, esse é o nome do siamês em questão, ao fazer miau uma hora queria dizer sim e outra hora queria dizer não. Eu fiquei prestando atenção e tentando decifrar a diferença entre os miaus, mas para mim eram iguais, não me pareceram nem um sim nem um não. Eu não gosto muito de gatos e muito menos deste em particular, mas confesso que estava com boa vontade e no começo quase me pareceu identificar um não num miau mais prolongado.

Fiquei entusiasmado e já me imaginando com o Cookie no colo e ele respondendo às perguntas do Jô. Sim, se é para sonhar tem que sonhar alto, nada de Faustão, Gugu ou outros menos intelectualizados. Mas foi rápido para o sonho ficar apenas em sonho. Não acreditei que o Cookie falasse, infelizmente. Minhas mãe e irmã continuam com a mesma certeza inabalável do início e cada vez que vou visitá-las me trazem mais algumas provas tentando me convencer desse fato. Bom, vou ser sincero, concordo que ele tem um grau de entendimento do que elas fazem, mas até falar vai uma certa distância. Tudo isto foi motivo para que eu passasse a utilizar o fato como um fato engraçado em minhas aulas e palestras. Claro que ao vivo eu podia dramatizar mais, imitar os diferentes miaus e tornar a situação mais engraçada. A turma adorava dava muita risada, relaxava e eu também me divertia muito. Bom, eu achando que estava fazendo muito sucesso, sempre achava um meio de contar esta história, a cada oportunidade me esmerava mais nas imitações do Cookie e acrescentava mais alguns detalhes para render mais descontração. A piada estava dando até certo até o dia em que depois das risadas e eu muito orgulhoso do meu show, se levanta do meio do auditório uma senhora de dedo em riste para mim. “Eu se fosse o senhor teria mais respeito pela sua irmã e pela sua mãe!!” Se fez um silêncio como é natural e eu fiquei muito constrangido e sério pensando o que falar. Expliquei para ela que eu tinha autorização delas para contar a história e que elas sabiam que eu brincava com a situação. Ela deixou-me terminar e arrematou ainda mais nervosa, “Pois fique sabendo, eu tenho um gato e o meu também fala!”. Não preciso nem falar que tive que me segurar e puxar as habilidades que tinha e as que não tinha, para continuar a palestra e manter a turma sob controle. E o que esta situação tem a ver com redes e mídias sociais e a gestão em geral? Depois de refletir sobre o assunto, acho que muito. Se você pretende estar nas mídias sociais da internet para fazer negócios, precisa saber que lá você está falando com o seu público para cada um de uma forma individual e vice versa cada um terá a oportunidade de falar diretamente com você só que com todos os outros podendo escutar. Você deve estar preparado para encontrar clientes que tenham gatos, cachorros ou outros animais que também falam e esperam que você saiba entender o que isto significa. A palavra de ordem num ambiente anárquico como a internet é diversidade e caso você queira fazer negócios por lá, tem que estar muito bem adaptado a entender e utilizar essa diversidade. Na internet as diferenças se tornam mais visíveis, as pessoas assumem de forma mais fácil suas particularidades atrás de um teclado do que num ambiente real com outros olhando. Cuide com o que você se diverte e brinca ou fala numa mídia social da internet. Com certeza vai ter alguém que discorda ou não vai achar graça. Então se prepare que a repercussão, reverberação e a má interpretação podem ser muito grandes e provocar incômodos. Na internet as coisas se propagam muito fácil e rápido e você vai ter muito mais senhoras que têm gatos que falam e vão achar que você está faltando ao respeito com a sua irmã e sua mãe e resolvam que você não merece ser feliz. Seja em que ramo de atuação você esteja, e nas mídias sociais estas situações potencializam mais ainda, seu cliente deixou de ser um gatinho siamês dócil e calado. O cliente agora aprendeu a falar, a dizer não, a elogiar, a pesquisar e principalmente a reclamar quando não está satisfeito. Portanto, é importante aprender a utilizar a Web e todas as suas ferramentas e veja o que se anda falando do seu negócio por lá. A gestão e a liderança modernas exigem que você saiba escutar muito bem o que seu cliente (interno ou externo) está falando. Assim como quem ama o seu gato sabe diferenciar perfeitamente se aquele miau é um sim, um não ou mesmo um pedido de atenção é necessário entender a linguagem não explícita do cliente. Não basta apenas se colocar no lugar do cliente, tem que sentir e ser como o cliente, seja ele o que vai comprar seu produto ou serviço ou aquele que se dispõe a ser seu colaborador, que “comprou” sua empresa. A propósito, se você que tem algum animal de estimação que consegue entender o que você fala para ele e interage com você, fique tranqüilo mudei meus conceitos e aprendi. Hoje já consigo me fazer entender e entender o que o Cookie quer dizer.

Anúncios
Esse post foi publicado em Redes sociais e marcado , , , , . Guardar link permanente.

10 respostas para O GATO DA MINHA IRMàFALA!

  1. Sulamita Mendes disse:

    Adorei!
    não somente porque amo gato e falo com meus três numa boa – rs – como realmente a metáfora com o mundo virtual foi perfeita. Se não estivermos dispostos a “ouvir” nosso cliente, seja presencial ou virtualmente, estamos fora desse mercado cada vez mais exposto e frágil pela possibilidade de todos participarem dele, comprando ou influenciando na compra.

  2. Walderes disse:

    Também gostei, não entendo os cachorros lá de casa, eles é que me entendem!

  3. Landa disse:

    Maninho, não só o gato, como a cachorra e agora até a pomba fazem parte da rede social da casa com ampla integração e interação.
    Atualmente redes sociais e e-mail têm tornado minha imagem como médica de alguma forma retrô e ultrapassada já que a banalização é tanta que as pacientes querem consultar através da web, coisa que me recuso a fazer.
    A web para mim continua a servir como fonte de atualização e divertimento recuso-me a deixar essa porta aberta, como exploração do pouco tempo livre, para pacientes não pagarem a consulta.
    Beijinhos de toda rede social da casa

  4. Rudinei disse:

    Antonio,

    Não tenho gato, mas meu cachorro também fala, pelo menos tenta… ele mia também… e dorme no braço do sofá (juro que só tinha visto gatos fazerem isso) e tudo mais…

    Porem, sei que o artigo não é sobre gatos ou cães, então digo que alguns clientes também falam!

    Nem todos, alguns parecem gatos (risos) só ficam lá, te olhando e esperando que você adivinhe o que eles querem… outros interagem com você e há um entendimento.

    Os que só miam cabam indo embora os que “falam” a gente entende e ATENDE, por vezes SURPREENDE e ENCANTA…

    E por falar em cachorros, gatos, etc… fica uma dica:

    http://www.petis.com.br

    É uma rede social que criei, pra quem gosta de animais, garanto que lá todo mundo jura que seu gato/cachorro/passarinho/coelho/etc… FALA!

    Abraço!

    Rudinei Modezejewski
    http://www.e-marcas.com.br
    http://www.lexperfecta.com.br
    http://www.direitoenegocios.com

  5. Juan Enrique Cadiz disse:

    Eu não gosto de gatos e sei que não falam como também os cachorros não falam mais entendem tudo o que a gente fala. Nosso lhasa (checo) inclusive é bilíngüe e a sua forma de falar é com os olhos e com o rabo. Ou seja, a cada pergunta, se ele mexe o rabo com muita rapidez o que significa “sim, sim, muito mesmo” se mexe com velocidade media significa “sim pode ser” ou se mexe o rabo lentamente significa “não sei, pode ser, depende”
    Quando perde a paciência um latido é sinal de “atenção, eu estou querendo me comunicar com vocês” e assim por diante quando a gente quer que ele saia do lugar não é necessário pedir licença basta dizer “remédio” ou “tomar banho” que ele sai de fininho sem perder um segundo.
    Não falam mais que entendem tudo o que a gente fala inclusive em espanhol e português.
    Um abraço.
    Juancho.

    • Walderes disse:

      Juan, e vc entende td o que ele gostaria de falar, mas não pode. A verdade é que existe uma interação forte entre estes pets e a família com quem convivem, e de certa forma todos tentam encontrar uma forma de se comunicar e cuidar uns dos outros.
      Beijos em todos.

  6. Eliane Tavares disse:

    História fantastica!!!
    Posso até imaginar sua performance nas salas de aula para contar essa historia…
    Só vc mesmo para fazer essa analogia entre o cotidiano e as redes socias.
    É um orgulho para mim tê-lo em minha rede social…
    Abração

  7. Teo Birnbaum disse:

    Caríssimo ABM, belíssimo e oportuno texto. Minha mulher e eu, convivemos por doze anos com um bichano da raça Himalaio [resultante do cruzamento do Siamês e Persa]. O bicho se comunicava de vários formas [polivante], como todos os gatos que se integram e sentem que fazem parte de uma família. Se a gente prestasse atenção podia, inclusive, decifrar suas intenções e manifestações através dos olhos dele. Um abraço.

  8. Carlos Notari disse:

    Outro dia estava assistindo na televisão um americano conhecido como o encantador de cavalos e fiquei impressionado, ele realmente entende e fala com os cavalos e não somente fala como assisti ele tratando um problema psicológico do cavalo (animais também tem problemas psicológicos), alias dois problemas, um que o cavalo tinha medo de qualquer coisa que se mexesse e o outro o medo de água, e em 30 minutos o americano resolveu os dois problemas.
    Nestes 30 minutos o cavalo falou o que sentia e quais os seus medos. Após o tratamento o cavalo falou claramente que estava curado, que tinha superado seus medos, e o mais impressionante, isto tudo sem soltar nenhum som.
    Temos que ser como este americano, entender nossos clientes e compreender o que eles estão dizendo, mesmo que não digam nenhuma palavra.
    Parabéns pela metáfora.

  9. Mário Artur Garrett Maciel Pinto disse:

    Olá

    Simplesmente perfeito!!!!! A metáfora relata com exatidão as nuances envolvidas nas redes e no conteudo que circula nelas. Você meu caro António está de parabéns!!!!!!!
    Abraços e sucesso!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s